FICAR RICO RÁPIDO

NÃO EXISTE MILAGRE:

ENRIQUECIMENTO RÁPIDO COMO

ACONTECEU COM MUITOS NA REGIÃO

NÃO EXISTE, DE FORMA HONESTA.

PF analisa material apreendido

na ‘Terra Prometida’, esquema

movimentou R$ 1 bilhão

Publicado Sexta-Feira, 2 de Janeiro de 2015, às 16:15 | CenárioMT com olhar direto

A Polícia Federal de Mato Grosso ainda realiza a análise documental e coleta de depoimentos da investigação que resultou na prisão de 39 pessoas acusadas de integrarem um esquema de ‘reconcentração’ dos lotes destinados a reforma agrária no projeto Itanhangá/Tapurah, instalado na região de Lucas do Rio Verde. A informação é da assessoria da Polícia Federal. A ação, deflagrada no dia 27 de novembro, levou para cadeia políticos, grandes agricultores e também servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

A estimativa é de que 80 famílias ligadas ao agronegócio tenham se beneficiado do esquema, que resultou em cerca de R$ 1 bilhão em fraudes com a ‘instalação’ de verdadeiros latifúndios nas áreas destinadas, verdadeiramente, a clientes da reforma agrária.
A investigação da Polícia Federal aponta um total de 1.149 lotes destinados a reforma agrária no segundo maior assentamento da América Latina, apenas 10% dos lotes estariam em poder, de fato, de clientes da reforma agrária.
Segundo a Polícia Federal, o fazendeiro ou empresário do agronegócio interessa-se por alguns lotes, então aliciava e pressionava os assentados com proposta de compra (na maioria dos casos por valores muito abaixo do mercado). Caso concorde com o negócio, o parceleiro assinava um termo de desistência que era endereçado ao Incra.
A PF aponta que em caso de discordância ele era ameaçado de morte e expulso do lote à força”. Neste caso, o termo de desistência era fraudado e assinatura do posseiro é falsificada. Em seguida, o fazendeiro/empresário apresentava a documentação ao Sindicato Rural de Itanhangá onde ‘acertava’ um preço para regularizar, e apresenta o ‘laranja’ que é incluindo como beneficiário da reforma agrária. Entretanto, quem já está na posse do lote e o explorando economicamente há tempos é o fazendeiro do agronegócio.
Para poder reaver a posse das áreas, o  Ministério Público Federal (MPF) estuda a adoção para medidas visando à reparação dos danos ambientais a região.
No total mais de 200 ordens foram cumpridas durante a deflagração da ação, que resultou em buscas na sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária de Mato Grosso. Além de Mato Grosso, a PF cumpre mandados em outros três Estados, em Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s